Preservar e Transmitir pedaços do nosso Património

01
Jul 08

- Artesananto do Distrito do Porto -

 

 

Os Tapetes de Beiriz são uma forma de artesanato tradicional da Póvoa do Varzim.

São manufacturados em teares de madeira. Os tapetes de lãs cortadas, são trabalhados nos pontos que os tornaram célebres (ponto de Beiriz, ponto estrela e ponto zagal), apresentam desenhos originais com flores como tema predominante. Este incrível tapete tem como característica única o facto do seu desenho poder ser visto pelo avesso.

 

 

A história do tapete de Beiriz remonta a um passado relativamente recente. Data do início do século XX e foi ideia de Hilda d'Almeida Brandão Rodrigues Miranda, nascida em 1892 e falecida em 1949. Constituiu uma fábrica em Beiriz em conjunto com uma ajudante. Começaram a produção da tapeçaria e foram enriquecendo com o ponto por elas inventado, o "nó de Beiriz", que se tornaria famoso, após a sua morte, a fábrica passa para a mão de familiares mas acaba por falir em 1974.

 

           

 

          

Mais tarde, em 1988, um casal, José Ferreira e Heidi Hannamann Ferreira, recomeçam a produção destes tapetes, recrutando as artesãs da antiga fábrica.

 

São tapetes notáveis premiados e com demanda nacional e internacional, levando a que os preços oscilem entre 160 a 250 euros por metro quadrado. Os tapetes de Beiriz decoram o Palácio Real dos Países Baixos e edíficios públicos portugueses. O Teatro de São Carlos, em Lisboa, orgulha-se de possuir uma excelente colecção destes tapetes. Um, não, dois desses tapetes podem observar-se no Salão Nobre.

 

Sites consultados: Câmara municipal de Póvoa do Varzim, Tapetes de Beiriz, Wikipédia

Imagens retiradas do Google


24
Jun 08

 

 

 

 A Camisola Poveira é o traje de romaria e festas da Póvoa de Varzim, Porto. Antigamente, eram utilizadas pelos pescadores para se protegeram do frio, dado que são camisolas de lã, bastante quentes.

 

 

As cores utilizadas são três: branco (a cor da malha), o vermelho e o preto (bordadas a ponto cruz na camisola).

 Siglas Poveiras base para a maioria das siglas familiares.

 

 

Esta peça integrava o traje masculino de romaria e festa do pescador poveiro.

Com a grande tragédia de 27 de Fevereiro de 1892” em que morreram 105 pescadores à entrada da barra de Póvoa de Varzim, “o luto decretou a sentença de morte deste traje branco. A camisola sobreviveu, ainda, pela primeira metade do século, mantendo-se como peça de luxo de velhos e novos.

“A camisola poveira era inicialmente (1ª metade do século XIX) feita em Azurara e Vila do Conde e bordada na Póvoa pelos velhos pescadores. Em evolução, passou a ser bordada pelas mães, esposas e noivas dos pescadores, e, depois feita e bordada na Póvoa.

 

A recuperação do vistoso e original traje branco deveu-se a Santos Graça que, ao organizar o Grupo Folclórico Poveiro, em 1936, o ressuscitou e divulgou.”

Hoje em dia, as camisolas poveiras, são produzidas por artesãs poveiras que destinam a sua produção às casas de artigos regionais. No entanto, o traje deixou de ser utilizado pelos pescadores, tendo hoje um fim meramente turístico.

 

Sites consultados: Wikipédia, Câmara Municipal Póvoa de Varzim

Estas camisolas têm motivos marinhos, o brasão da Póvoa de Varzim e de Portugal, e siglas poveiras (são uma forma de escrita primitiva, usada durante séculos na Póvoa de Varzim pelos pescadores, que utiliza um sistema de comunicação visual simples), escudo nacional, patinhos, vertedouros, remos cruzados, etc.

- Artesanato do distrito do Porto –


Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
30
31


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO